Porque é preciso ficar atento ao ronco

Roncar pode parecer um hábito comum para muitos, principalmente para aqueles de maior idade. Depois dos 40 anos idade, estima-se que aproximadamente quatro de cada dez pessoas roncam; e depois dos 60 anos esse número cresce para seis de cada dez pessoas. Entretanto, apesar disso, é preciso estar atento aos sinais, principalmente quando o ronco passa a interferir na qualidade do sono.

Além de provocar cansaço por uma noite mal dormida, o ronco pode indicar que algo está errado em seu corpo. Entre os problemas, pode estar a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono, que é a causa mais grave do ronco. A apneia pode trazer impacto no coração, uma vez que há queda da oxigenação do sangue, o que aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial. O coração passa a trabalhar mais e com menos oxigênio, causando um grande estresse para o corpo e pode ser gatilho para doenças cardiovasculares como hipertensão, arritmia cardíaca, infarto e AVC.

Por isso, algumas medidas simples podem ser bastante eficientes para melhorar o problema. Entre ela podemos destacar: dormir de lado; evitar o consumo de álcool, evitar o uso de sedativos e desobstruir o nariz.