Cuidados com a automedicação

De acordo com uma pesquisa realizada em março de 2019 pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), por meio do Instituto Datafolha, atestou que a automedicação é um hábito comum, foi constatado que 77% dos brasileiros fizeram uso de medicamentos nos últimos seis meses. Quase metade (47%) se automedica pelo menos uma vez por mês, e um quarto (25%) o faz todo dia ou pelo menos uma vez por semana.

Além disso, a pesquisa identificou que 22% dos entrevistados que utilizaram medicamentos nos últimos seis meses tiveram dúvidas, mesmo em relação aos medicamentos prescritos, principalmente no que diz respeito à dose (volume e tempo) e a alguma contraindicação contida na bula.

A automedicação é quando ingerimos remédios sem orientação ou prescrição médica para aliviar sintomas de algum problema de saúde.  Por ter se tornado uma prática cada vez mais comum, a automedicação pode provocar muitos perigos para a sua saúde e deve ser analisada com bastante atenção.

Os especialistas alertam que o uso indiscriminado e de forma incorreta de medicamentos pode mascarar sintomas e, muitas vezes há uma agravamento do quadro. É preciso entender que há muitos riscos envolvidos ao se automedicar, os mais comuns dele são:  intoxicação,  reações alérgicas e dependência. Porém, dependendo do tipo de reação do corpo pode também levar à morte. Assim, antes de tomar qualquer medicação por conta própria reflita bem, a recomendação é sempre procurar orientação médica.